sábado, 4 de junho de 2011

Depois de um longo inverno (na verdade, outono!)...

Geeeeeente!! Antes de tudo, peço desculpas por ter passado mais de um mês sem postar nada por aqui! Mas eu tenho uma justificativa perfeitamente compreensível, que é o período de provas na faculdade... Felizmente, ele está chegando ao fim, e com isso, virão muitos posts novos! =D
Bom, devo começar pela mudança do nome do blog: Amai Dream. Já fazia um tempo que eu tinha vontade de mudá-lo, pois o anterior nem me enchia tanto os olhos assim. Fiz uma pequena mistureba linguística nesse: Amai, do japonês, significa "doce", e "dream", em inglês, sonho (pode ser que alguém não saiba, ué). Esse nome reflete melhor minhas utopias em relação à vida... Afinal, ela não poderia ser como um sonho doce sempre? Creio que muitos de vocês pensam dessa forma também!

Agora, vamos às novidades! Nesse meio tempo, rolou um encontro J-Fashion muito feliz e purpurinado com a Kakao, Caramel, Pri, Kyra, Kitty, Sally e Kona (bem como seus respectivos maridos e maridas) no nosso querido Café Hello Kitty!

Olha, mãe! Sou gyaru, beijos! :*



Caramel e eu: só na troca de papeis!



Difícil era conseguir uma foto de todas paradas...


É, eu disse que ia parar com essa coisa de foto de comida em todo post... Mas era o brownie da Hello Kitty, tinha que abrir uma exceção! XD


Não percam, ainda no episódio de hoje: desvendando a bolsa secreta da dona Caramel!!!! :D


Ah, mas não pensem que eu abandonei lolita, não! Eu não estou traindo o movimento! rs Prova disso é a de que comparecei mui dignamente ao último meeting lolítico que aconteceu por aqui! Vamos às fotos:

Finalmente pude estrear meu JSK de poodles da Body Line, e ainda por cima, num coordinate com as minhas cores favoritas!


Algumas das meninas que foram (o meeting estava cheio, acho que nem tinha como tirar foto de todas!)



Nereida e eu



Yui comigo, na nossa pose clássica, hohoho! XD



Reika, Ariana, Kayna e Keka!


Aqui vão os memes, indicados pela Doce Madrepérola e Sally, que estou devendo há tempos também:
A proposta do primeiro é repassar para quantas pessoas quiser, e responder à pergunta: Quais memórias você gostaria de esquecer para sempre?

Gostaria de esquecer para sempre certas pessoas que conheci na faculdade, que me desestabilizaram emocionalmente em certa épocaa, e todas as histórias e circunstâncias relativas a elas. Gostaria mesmo de nunca tê-las conhecido.
Esse eu repasso para quem quiser fazer, não quero que ninguém se sinta compelido a cavar lembranças que não deseja.

O segundo meme é dos "7 Segredos Sobre Mim", eu repasso para minha amiga Lolo e para quem quiser fazê-lo também, já que não sei ao certo quem fez e quem não fez ainda.



7 Segredos sobre mim:


1- Por causa da profissão do meu pai, eu sempre vivi me mudando, para cá e para lá nesse Brasil, até que vim parar em São Paulo. Sempre gostei disso, dessa coisa de conhecer novos ares, novas pessoas e novos jeitos de ser! E de ver como pessoas do mesmo país, de estados até mesmo vizinhos, podem ser TÃO diferentes entre si! Eu gosto daqui, mas confesso que é da minha natureza "enjoar" quando estou morando há algum tempo em qualquer lugar que seja, por isso gostaria de dar uma mudadinha daqui, confesso (o clima daqui é muito frio, gente!!!! Só morei em terras quentes até então! D:). Mas agora não tem jeito... Pessoas de Sampa city, eu vou ficar aqui mesmo e vocês vão ter que me aturar! XD Ah, sim! Os lugares em que morei: Santos (nasci lá, mas não acho que tenha nada a ver com a cidade), São Vicente, Guarujá, Rio de Janeiro (onde peguei meu característico sotaque), Brasília, Palmas (do Tocantins, não do Paraná) e São Paulo. Se fosse depender de mim, eu não pararia em nenhum específico, só ficaria mudando e mudando... E só viria pra cá no verão, é claro! Eu já falei que odeio frio?
2- Numa das vezes em que morei em Brasília, estudei no Colégio Militar de lá, da 7ª série ao 3º ano. Foi dureza: cabelos sempre em coque ou rabo de cavalo, unhas, só se fossem bem clarinhas, usar quase o tempo inteiro a boina, uniformes (fardas) impecáveis, marchar sempre, prestar continência... Mas a pior cobrança era em relação ao ensino, muito, MUITO rígido! Foi traumático por um lado, mas por outro, me deu uma disciplina que, nos dias atuais, me ajuda bem! E eu também sou grata ao Colégio Militar, porque sei que ele forjou meu parte do meu caráter.
3- Por causa desse certo trauma do Colégio Militar, entrei na faculdade pensando que as coisas iam ser beeeem melhores, em todos os aspectos! Era uma completa iludida! De fato, na parte de estudo e cobranças, é mais fácil do que no Colégio Militar. Entretanto, no que diz respeito aos alunos, eu levei um completo choque com as condutas do pessoal... No Colégio Militar: não pode isso, não pode aquilo, logo, todo mundo se mantém na linha. Na faculdade: pessoas propagando a ideologia do "EEEEE, festa da libidinagem!!!! Ninguém é de ninguém e todo mundo é de todo mundooooo!!!! Churras da sala é pra todo mundo chifrar o(a) namorado(a)!!!!". Vocês não fazem ideia de como eu tenho nojo da gente da minha faculdade... Ninguém se respeita ali, são um bando de homens pilantras e de mulheres vadias se degradando cada vez mais. E o mais irônico é que eu faço Direito: curso que exige uma certa seriedade (como todos, na verdade), pois as pessoas precisarão de gente conhecedora da lei (e não de bares) para defendê-las, de gente correta para decidir seus destinos, de homens e mulheres com pulso firme para dar a criminosos o que eles merecem... Mas não é esse o tipo de gente que se forma ali, de jeito nenhum. O que você pode ver ali são: muitos futuros advogados ladrões, delegados corruptos, ou piriguetes que nunca vão passar disso mesmo... Em vários momentos perto deles, eu fico me sentindo um E.T., só faltando esperar pela Nave-Mãe me buscar... =P Enfim, o que eu quero dizer é que, ao longo dos anos, minhas ilusões lindinhas a respeito da faculdade foram se desfazendo, e as pessoas, me decepcionando. Porém, graças a isso, estou mais esperta, desconfiada em relação a esse povo e com isso, considero-me mais preparada para a selva do mundo real. Não que eu goste de viver de armadura, mas é preciso.
4- Frequentemente tenho a sensação de ser um peixe fora d'água, em grande parte dos lugares a que vou (o principal deles é a faculdade, como vocês perceberam aí em cima). Eu tive uma criação em que meus pais nunca "podaram" meus gostos, por mais esquisitos que parecessem. Eles sempre me deixaram aflorar a minha verdadeira personalidade, incentivando para que eu fosse alguém original e com um jeito próprio de ser. Entretanto, nem sempre o mundo vê isso como uma coisa boa. Cansei de ser olhada torto até mesmo dentro da família (leia-se: primas funkeiras e tia de mente fechada achando anormal você gostar do Japão e te dizendo que os meninos só vão te olhar se você for igual à Juliana Paes). Mas ainda assim, não abro mão de quem sou por nada nesse mundo! =D
5- Sinto tanto frio no outono/inverno que, ao sair do banho tenho uma estranha mania: esquentar meu corpo com o jato do secador, mesmo tendo me secado antes com a tolha. Sei que soa esquisito pra caramba lendo assim, mas se você é uma pessoa friorenta também, experimente essa técnica, que vai mudar a sua vida! XD
6- Quando criança, eu vivia me prometendo que mesmo quando crescesse, sempre iria continuar adorando filmes da Disney, coisas bonitinhas e felizes, e que nunca iria me tornar uma adulta chata e sem graça. Até hoje acho impressionante como meu juramento foi profético!
7- Já faz um tempo que venho atravessando um momento que eu chamo de "Era dos Mil Nicks". Durante muitos anos, meu nickname foi Kashiwagi (Carvalho em japonês, meu sobrenome), época em que fui muito feliz e me diverti muito nos eventos otakus de Brasília, fazendo cosplay e cantando nos animekês... Mas depois eu quis abandoná-lo por razões minhas mesmo. Era um nick muito original, gosto até hoje, mas não sei se devo voltar a ele. Nesses últimos tempos, já me autodenominei Sissi, Sílvia Kisaki, Kashi, Sil... Só não gosto de que me chamem de Sílvia. Não por não gostar do meu nome, muito pelo contrário, eu o adoro! Mas acho que quando alguém me chama de Sílvia, por ser um nome muito sério, tenho a impressão de que a pessoa está sendo distante, cerimoniosa ou até mesmo fria comigo D: Então, me chamem de qualquer um desses aí... Mas NÃO me chamem de Sílvia, por favor.

Beijos sabor doce de leite!